Agressividade

A agressividade é um comportamento passível a todos os mamíferos, independente da espécie, raça ou tamanho, e pode ser definida como um conflito onde a causa principal é o meio social (ou selvagem) em que o animal vive.

A agressividade dos cães é normal para a sua matilha, mas inaceitável para o ser humano. Pode existir uma variação de comportamento entre animais da mesma raça, inclusive diferenças de comportamento entre linhagens, isto ocorre devido a fatores que influenciam no comportamento do animal, são eles:

Genética e ambiente, o ambiente afeta cada genótipo de maneira diferente. Quando falamos em espaço ideal para o animal, local para alimentação, alimentação nos horários recomendados, água limpa e filtrada em abundância, brinquedos para distração do animal, carinho, etc… tudo isto faz parte do ambiente em que ele vive, que já é um ambiente confuso, pois por ter sido muitos anos um animal selvagem, a domesticação lhe reprimiu alguns hábitos naturais herdados em milhões de anos, como por exemplo a caça, no ambiente doméstico o cão não precisa caçar.

Em um cão não é possível identificar quanto do comportamento é causado pelo ambiente e quanto é causado pela genética. Animais encarcerados, com pouca ou nenhuma luz do sol, sem água e alimentação precária, tem um potencial agressivo muito maior do que animais que vivem em ambientes mais saudáveis.

Existem outros fatores que influenciam no comportamento, como por exemplo a idade do animal, filhotes e adultos agem de forma diferente perante uma mesma situação, existe também diferenças entre sexos, hormônios determinam esta diferença. Os machos tendem a demarcar território e as fêmeas tendem a ser mais possessivas e ciumentas.

Como já foi dito, todo cão tem sua agressividade, alguns tem uma facilidade maior ou menor de serem levados a um comportamento agressivo (limiar), por exemplo, a diferença entre um Teckel e um Rottweiller, é muito mais fácil levar um Rottweiller a manifestar sua agressividade do que um Teckel, ou um Basset Hound, ou ainda um Cocker. Neste aspecto o Akita é um cão muito controlado quanto a sua agressividade e comportamento em geral, normalmente é um cão muito tranqüilo e entende rapidamente qual o papel que lhe é colocado, porém perfeitamente capaz de exercer seu instinto dominador, de líder e guardião. Quando convivem em matilhas tendem a ser desafiadores, muitas vezes nem mesmo permitindo a presença de outro animal, principalmente se for do mesmo sexo.

Existem Akitas muito dóceis, até mesmo com outros animais de raças e espécies diferentes, contudo este tipo de comportamento exige grande socialização enquanto filhote, é necessário que tenha contado com muitas pessoas diferentes e possa brincar com muitos outros animais, de forma que aprenda a não estranhá-los conforme vai passando para a idade adulta.

A agressividade no cão em geral tende a ser direcionada da seguinte maneira:

  • Lúdica
  • Medrosa
  • Dominadora
  • Protetora
  • Possessiva
  • Maternal
  • Redirecionada (Agressão cega)
  • Dor / Punição
  • Territorial
  • Predatória

O que determina qual o tipo de agressividade, é o próprio meio em que o cão se encontra no momento do conflito Quanto a querer eliminá-la do cão, isto não é possível, pois faz parte da natureza animal, porém a agressividade pode ser controlada e melhor direcionada, ou ainda redirecionada, quando conseguimos entender quais os motivos que o animal possa estar tendo para estar agindo de determinada maneira e protagonizando este comportamento, portanto para identificar tal comportamento, disponibilizamos abaixo alguns comentários a respeito dos tipos diferentes de agressividade.

Agressividade Lúdica

O filhote, durante seu período de crescimento, apresenta muitas vezes comportamentos que, aos olhos de seu dono, podem parecer agressivos, porém tais comportamentos podem estar, na maioria das vezes, associado ao ato de brincar de brigar, assim como os humanos, o que prepara o filhote para encontros agonísticos (comportamento social que envolve conflitos) que estabelecem sua dominância ou submissão e o prepara para sua futura vida social.

Agressividade Medrosa / Defesa

O cão pode apresentar uma postura medrosa, como se realmente estivesse se defendendo de alguma coisa (ou de alguém), as orelhas tendem a ficarem baixas e inclinadas para trás, o cão fica num constante ir e vir em direção ao objeto (ou pessoa) que lhe causa medo, evitando encarar fixamente a pessoa ou objeto.

Um exemplo bom são aqueles cães que chegam perto de um objeto estranho e começam a latir, latir, latir, indo e vindo em direção do objeto, latem e dão uns passinhos para trás, chegam perto de novo, latem e dão mais alguns passinhos para trás, e ao menor sinal de movimento ou ruído muito próximo ao objeto se afastam rapidinho, continuam se afastando, mas olhando para trás e latindo. Isto representa medo e pode ser medo de alguém, de algum animal ou de algum objeto.

É muito comum pessoas serem agredidas por cães por eles estarem com medo da pessoa, dificilmente ocorre com os donos, mas não é impossível.

Agressividade Dominadora

O cão tende a perceber todos os outros cães da casa e também a família como sendo sua matilha, e dentro do contexto de matilha a hierarquia se dá por conta de relações de dominância e subordinação, o melhor é que o proprietário seja o dominante.. Quando esta disputa ocorre entre os próprios cães, eles mesmos tendem a se entender quanto a hierarquia, mas quando a família permite que o cão se sinta no topo da hierarquia desta matilha híbrida, normalmente a família corre o risco de sofrer este tipo de agressão.

Um exemplo comum são aqueles pequenos poodle (pode ser qualquer outra raça) que normalmente fazem tudo o que querem, comem bem, dormem na cama dos donos, estão sempre “sentadinhos” no sofá, ou no colo da “mamãe”, as sextas-feiras vão ao cabeleireiro aparar seus cachinhos e voltam todos orgulhosos de si. Daí um dia a mamãe resolve que ele não vai dormir na cama e sim no quintal, porém na idéia dele quem manda e determina onde dormir não é a mamãe, afinal o dono daquela matilha (família) é ele, e na primeira tentativa de tirá-lo do quarto ele reage com uma ameaça ou mesmo com uma mordida, como quem diz “se ponha no seu lugar porque aqui nesta casa quem manda sou eu”. Este é o melhor exemplo para ilustrar o que pode significar a agressividade dominadora, é quando ele realmente se sente dominando ou querendo dominar alguma coisa que na cabeça dele lhe pertence.

Este tipo de agressão é ofensiva e comum com os donos e membros da família e não (ou dificilmente) com pessoas estranhas e pode ser evitada, desde que o dono não permita que seu cão faça tudo o que deseja, e sim tudo o que o dono quer que ele faça.

Ser dominante significa ter atitudes, para algumas pessoas isto não soa bem, porém não é possível manter uma relação de igualdade com os animais, passamos por processos civilizatórios, dos quais ele não passaram e há séculos temos nossas manifestações instintivas reprimidas.

O cão estabelecerá seu lugar de acordo com a atitude de cada um e sua comunicação se dará através de sua linguagem corporal. Os cães com tendência dominante, desde filhotes apresentam sinais indicativos.

Deve-se ensinar o NÃO desde cedo e fazer com que o animal cumpra esta ordem, se possível fazer um treinamento de obediência para que o animal receba e cumpra ordens e, constantemente, se perceba numa situação hierárquica inferior aos membros da casa.

O Akita é um cão que tem uma dominância muito forte, logo quer dominar a matilha, porém não é dos piores cães, talvez um cãozinho pequeno e inocente seja pior, porém é fundamental que desde cedo seja treinado a obedecer seu dono e os membros da casa, e principalmente a respeitá-los, pois quando ele respeita seu dono não age contra a vontade dele, respeita todas as decisões, mesmo que lhe cause algum incomodo físico, além de controlar melhor seus instintos dominantes.

Agressividade Protetora

Os cães, principalmente os Akitas, tendem a proteger muito seu dono e sua casa e, muitas vezes a aproximação de estranhos pode representar uma ameaça a esta harmonia. Normalmente o cão percebe o mais silencioso ruído e já fica em sinal de alerta, pronto para defender seu dono, sua matilha e seu território.

O Akita tem uma característica de guarda muito interessante, normalmente ele se coloca em posição de guarda nos locais mais estratégicos que ele encontrar, de preferência onde consiga controlar todas as entradas e saídas da casa, sem que seja percebido por quem entra da rua. Este comportamento do Akita é extremamente natural, não é necessário ensinar, assim que crescem um pouquinho mais tendem a se comportar de forma diferente.

Quando o animal tiver com uma pessoa estranha, porém bem vinda na casa, deve ser apresentado a ela de maneira calma, de preferência que não seja de supetão, de surpresa. Se o animal demonstrar sinais de agressividade, normalmente fica tenso, de orelhas e corpo eretos e rabo erguido, normalmente mostrando os dentes e olhando fixamente a pessoa, encarando nos olhos, neste caso o melhor é que ele não se aproxime da visita e que a visita evite olhá-lo nos olhos, ou mesmo insinuar alguma brincadeirinha inocente até que seja feita a adaptação completa entre os dois.

Agressividade Possessiva

Normalmente este tipo de agressividade se dá com objetos ou itens do próprio animal, pode ser aqueles brinquedinhos que ele guarda com tanta dedicação, ossos, ração e o próprio espaço dele.

Os Akitas tem o hábito de esconder seus ossos e seus brinquedos, até mesmo seus grãozinhos de ração, não estranhe se em algum momento você sentar em cima de um osso que estava escondido no seu sofá, ou ainda se encontrar ração nos cantinhos da casa, eles guardam seus brinquedinhos e ração com bastante propriedade.

O ideal é que você acostume desde cedo a mexer na ração dele, tirar o comedor e colocá-lo de volta enquanto ele está comendo, mexer nos brinquedos dele, quando ele esconder você vai lá e descobre o brinquedo ou a ração, quando ele estiver protegendo tire dele e guarde em local onde ele não consiga pegar, desta forma você estará “dizendo” a ele que você, acima dele é quem manda nos brinquedinhos e determina qual hora ele deve brincar ou não, você estará reafirmando seu papel de superior na hierarquia. Porém o ideal é fazer isto desde filhotinho, pois alguns cães quando adultos não aceitam este tipo de atitude, este respeito deve vir desde pequeno.

Agressividade Maternal

Como o próprio nome diz, a fêmea tende a defender muito seus pequenos recém nascidos. O ideal é não permitir que estranhos e muitas pessoas da casa se aproximem da cria, pelo menos enquanto estiverem muito pequenininhos, pela própria proteção deles, afinal nós carregamos conosco, da rua, trabalho, etc. bactérias e vírus que não nos causam problemas, porém podem ser fatais para os pequenos recém nascidos.
Evite o contato de muitas pessoas, o ideal é não permitir o contato entre as pessoas e a ninhada, pois, sem querer e sem saber, uma pessoa pode trazer zoonoses para esta ninhada ainda desprotegida e comprometê-la completamente.

Agressividade Redirecionada

É quando o cão redireciona para outro objeto ou pessoa um sentimento que não foi causado por ela. Exemplo, numa briga de cães, você começa a brigar com seu cachorro para puni-lo de estar brigando com outro cão, ou mesmo para separá-lo de uma briga e toma uma mordida, proposital, pois não deveria tê-lo provocado ou segurado naquele momento de tamanho conflito. Você pode nem mesmo estar agredindo e estar apenas assistindo a cena, e ainda assim, dependendo do animal, você pode ser mordido.
O Akita, neste aspecto não é diferente de nenhum outro animal. Evite deixá-lo brigar com outros cães e, principalmente com gatos, pois estes carregam em suas garras e dentes um batalhão inteiro de zoonoses.

Um humano mordido ou arranhado por um gato (se houver sangramento), deve procurar imediatamente um médico, no caso de cães também, porém os gatos, principalmente os de rua carregam muito mais infecções.

Neste caso o melhor e não deixá-lo brigar e se ocorrer uma briga inesperada, o melhor é não se meter na briga, pois você pode sair machucado, isto é regra para qualquer animal.

Agressividade por Dor / Punição

O animal pode agredi-lo por estar se sentindo agredido, este comportamento pode ser proposital ou acidental.

O melhor é não agredir o animal.

Os Akitas, em situação de dor, quando seus donos estão fazendo um curativo ou tratando algum problema, tendem a perceber a situação e muitas vezes sentem dor calados e quietinhos, de orelhinhas baixinhas e rabinho baixo. Isto é claro se você ensinou para ele desde cedo que ele está abaixo de você na hierarquia da casa, caso contrário ele pode correr de você ou mesmo te ameaçar, isto vale para qualquer cão.

Agressividade Territorial

É a resposta que o cão dá a qualquer coisa que ele possa considerar uma ameaça ao seu território, por exemplo um gato de rua ou um estranho resolve entrar no quintal onde vive o cão, provavelmente este gato ou esta pessoa será vítima de uma ameaça ou mesmo de uma agressão. Nunca deve-se invadir o espaço (território) de um cão. O Akita defende muito seu território e, a menos que seja muito dócil, poderá fatalmente ameaçar ou agredir quem tenha este tipo de atitude, exceto sua matilha, que inclui as pessoas da casa

Porém isto serve como regra para qualquer animal que tenha um instinto de guarda um pouco mais apurado. Talvez um Golden Retriever não tenha o mesmo comportamento, pois não é um cão para guarda.Mesmo na rua o Akita irá considerar, mais ou menos, um metro a um metro e meio ao redor dele e do seu dono como sendo seu espaço territorial.

Agressividade Predatória

Os cães, embora domesticados há muitos anos, muitas vezes ainda carregam consigo hábitos de quando eram selvagens, a agressividade predatória é algo fundamental quando se está em busca da “caça”, e pode ser um desses hábitos. É o instinto de obter alimento através da caça, às vezes matam pássaros, gatos, pessoas, ou ainda objetos inanimados, como pneu, ou qualquer outra coisa que ele reconheça como sendo sua presa potencial (tudo o que esboçar um certo movimento de fuga).

Provavelmente um cão somente terá este tipo de comportamento caso lhe falte o que comer, em situações de fome, ainda assim não é muito comum. O Akita é um cão bastante domesticado e todos os que conhecemos são muito bem alimentados, portanto não se comportam de maneira predatória, mas em linhas gerais, todo cão é potencialmente um caçador.

 

Clube do Akita – O Guardião Japonês