TORÇÃO GÁSTRICA

A torção gástrica em cães não é brincadeira. Se o próprio nome já assusta, as conseqüências, são de arrepiar. A sorte é que dá para prevenir se tomarmos cuidado.

Estômago cheio e exercícios físicos não nasceram um para o outro. Some-se a isto uma anatomia de grande porte, peito profundo e/ou herança genética. Pronto. O resultado pode ser a temível torção gástrica, doença grave que costuma levar o animal à morte em poucas horas quando o socorro não é imediato.

As raças mais susceptíveis são: pastor alemão, boxer, weimaraner, fila brasileiro, rottweiler, dogue alemão, doberman, setter irlandês e outros, enumera a cirurgiã veterinária Thaís Pêssego, do Hospital Veterinário de Sena Madureira, São Paulo.

O TAMANHO DA ENCRENCA!

ENTENDA:

Ingerida em grandes porções, a ração fermenta e provoca inchaço. Essa condição, aliada ao esforço físico, facilita a ocorrência de uma torção, que obstrui as duas saídas do estomago. O animal não consegue defecar nem vomitar.

* O volume de gases e toxinas aumenta, comprimindo vasos e prejudicando a circulação do sangue. A mucosa do estômago começa a morrer e alguns órgãos, como o baço e os rins, podem ser afetados pelas toxinas e pelo inchaço.

* O problema circulatório pode derrubar a pressão e causar uma arritmia cardíaca.

* O estômago estufado pressiona o tórax, desloca o baço e dificulta a respiração, levando à perda de consciência e até a morte.

NÃO PERCA TEMPO – OBSERVE ESTES SINAIS!
* Inchaço anormal do abdome.
* Salivação excessiva.
* Tentativa de vômito.
* Inquietação seguida de apatia.
* Perda de consciência.
* Dificuldade para respirar e batimento cardíaco acelerado.

NÃO DURMA NO PONTO, CORRA ATÉ O VETERINÁRIO DE SUA CONFIANÇA.

Fonte: Revista SAÚDE! é vital / jul 2006, págs 66 e 67 – Ed. Abril.